top of page

Três meses, Mamãe

Três meses, Mamãe, de te sentir somente em meu coração e no silêncio. Olhar para sua foto e explodir em lágrimas. Três meses de conversas sussurradas enquanto cuido da casa, buscando seus conselhos, sua orientação - três meses de luto, desta vida antiga e ainda completamente nova.


Cada dia, você persiste em meus pensamentos, uma presença suave. Choro por você e fico entristecida. Te procuro e, na sua lembrança, brota uma alegria silenciosa. Entre lágrimas, sorrio, aninhada no abraço maternal da nostalgia.


Saudades. Saudades. Saudades.


Te busco em meu caderno, onde despejo estas linhas, nas músicas que costumávamos ouvir, nas fotos onde seu sorriso permanece invicto. Te busco nas tardes em que estou sozinha no canto da sala onde me sento para escrever assim como nas plantinhas que, imitando você, aprendi a cuidar. Anseio pelo seu olhar, sua atenção envolvida nas minhas palavras. Suas palavras. E te encontro, Mãe, nas lágrimas que descem pesadas por minha face manchando os versos com sal.


Em cada sílaba, na genética inquestionável refletida no espelho, na cadência da música alegre e nos acordes melancólicos, eu te encontro.


Você não está sozinha, minha mãe querida. Caminhamos juntas entre o hoje e a memória, no meio do cansaço da existência e da despedida agridoce, navegando pelo espectro das lágrimas ao riso. Conectamo-nos no silêncio, embora sem o calor do seu corpo.


À morte, ofereço gratidão pelo consolo da sua companhia. Seus passos sussurram ao meu lado com a certeza da fé.

9 views1 comment

Recent Posts

See All

O tempo

bottom of page